Skip to content
VM Samael Aun Weor: Gnose Psicologia Alquimia Astrologia Meditação Cabala
Amar, quăo belo é amar! Só as grandes Almas podem e sabem amar
VOPUS | Gnose arrow Símbolos Universais arrow O Autêntico Simbolismo do Natal

O Autêntico Simbolismo do Natal

Imprimir E-mail
Por Editor VOPUS   
Untitled Document
El Auténtico Simbolismo De La Navidad

Esta noite falaremos sobre o simbolismo do Natal. É claro que este é um evento maravilhoso sobre o qual urge meditar profundamente.

Nesta época começa o frio aqui no Norte, devido precisamente a que o Sol está se afastando para as regiões austrais e, em 24 de Dezembro, o Sol terá chegado ao máximo em sua viagem para o Sul. Se não fosse porque o Sol avança para o Norte, a partir de 25 de Dezembro, morreríamos de frio, a Terra inteira se converteria em um bloco de gelo e pereceria, realmente, toda criatura, tudo aquilo que tem vida. Assim, vale a pena refletirmos sobre o acontecimento do Natal...

O Cristo-Sol deve avançar para nos dar sua vida e no Equinócio da primavera se crucifica na Terra, então amadurecem a uva e o trigo. E é precisamente na primavera que o Senhor deve passar por sua vida, paixão, morte..., para depois ressuscitar (a Semana Santa é na primavera)...

O Sol físico não é mais é que um símbolo do Sol Espiritual, do Cristo-Sol. Quando os antigos adoravam o Sol, quando lhe rendiam culto, não se referiam exatamente ao Sol físico, não. Rendia-se culto ao Sol Espiritual, ao Sol da Meia-Noite, ao Cristo-Sol.

É necessário aprender a conhecer os movimentos simbólicos do Sol da Meia-Noite. Ele é quem sempre guia o Iniciado, ele é quem nos orienta, ele é quem nos indica o que devemos e o que não devemos fazer.

Não há dúvida (e Du Buit reconhece isto) de que todas as religiões da antiguidade celebraram o Natal...

Assim como o Sol físico avança para o Norte, para dar vida a toda criação, assim também o Sol da Meia-Noite, o Sol do Espírito, o Cristo-Sol, nos dá vida se nós aprendermos a cumprir com seus mandamentos.

Nas Sagradas Escrituras, obviamente, fala-se do “Acontecimento Solar” (e há que saber entendê-lo entrelinhas). A cada ano vive-se no macrocosmo todo o Drama Cósmico do Sol (a cada ano, repito). Tenha-se em conta que o Cristo-Sol deve crucificar-se a cada ano no mundo, viver todo seu drama da vida, paixão e morte, para depois ressuscitar em tudo o que é, foi e será, ou seja, em todo o criado. É assim que todos nós recebemos a vida do Cristo-Sol.

Também é certo que a cada ano, o Sol, ao afastar-se para as regiões austrais, nos deixa aqui, no Norte, tristes, pois ele vai dar vida em outros lugares. As noites longas de inverno são fortes. Na época do Natal, os dias são curtos e as noites longas...

Convém que entendamos o que é, certamente, o Drama Cósmico. Faz-se necessário que em nós também nasça o Cristo-Sol (Ele deve nascer em nós). 

Nas Sagradas Escrituras fala-se claramente de “BELÉM” e de um “ESTÁBULO” onde Ele nasceu.  Esse “estábulo de Belém” está dentro de nós mesmos, aqui e agora.

Precisamente neste Estábulo Interior moram os animais do desejo, todos esses Eus passionais que carregamos em nossa psique. Isso é óbvio. O próprio nome “Belém” é esotérico. Nos tempos em que o Grande Kabir Jesus veio ao mundo, a aldeia de Belém não existia. De maneira que isso é completamente simbólico. “Bel” é uma raiz caldeia que significa “torre de fogo”. De maneira que, propriamente dito, “Belém” é “Torre de Fogo”... Assim, pois, Belém é completamente simbólico.

Quando o Iniciado trabalha com o Fogo Sagrado, quando o Iniciado elimina de sua natureza íntima os agregados psíquicos, quando de verdade está realizando a GRANDE OBRA, sem dúvida alguma há que passar pela Iniciação Venusta.

O descenso do Cristo ao coração do Homem é um acontecimento cósmico-humano de grande transcendência. Tal evento corresponde, na verdade, à INICIAÇÃO VENUSTA.

Muitos supõem que o Cristo, exclusivamente, foi Jesus de Nazaré, mas estão equivocados. Jesus de Nazaré, como Homem, ou melhor dizendo, Jeshuá Ben Pandirá, como Homem, recebeu a Iniciação Venusta, o encarnou, mas Ele não é o único que recebeu tal Iniciação.

Portanto, devemos entender o Cristo como é, não como uma pessoa, não como um indivíduo. O Cristo está além da personalidade, do Eu e da Individualidade. O Cristo, em Esoterismo autêntico, é o Logos, O LOGOS SOLAR REPRESENTADO PELO SOL. Agora compreenderemos porque os Incas adoravam o Sol, os Náhuatls rendiam culto ao Sol, os Maias o mesmo, os Egípcios identicamente, etc.

Não se trata da adoração a um Sol físico, não, mas ao que se oculta por detrás desse símbolo físico. Obviamente, adorava-se o Logos Solar, o Segundo Logos. Esse Logos Solar é Unidade Múltipla Perfeita (“a variedade é unidade”).

Paulo esclarece isso, dizendo: “De sua virtude todos tomamos graça por graça”... Então, há documentação... Se estudarmos cuidadosamente Paulo de Tarso, veremos que raras vezes ele alude ao Cristo Histórico. Cada vez que Paulo de Tarso fala sobre Jesus Cristo, refere-se ao Jesus Cristo Interior, ao Jesus Cristo Íntimo que deve surgir do fundo do nosso Espírito, da nossa Alma.

Enquanto um Homem não o tenha encarnado, não se pode dizer que possui a Vida Eterna. Só Ele pode tirar a nossa Alma do Hades, só Ele pode, verdadeiramente, dar-nos vida, e dá-la em abundância. Assim, devemos ser menos dogmáticos e aprender a pensar no Cristo Íntimo. Isso é grandioso!

Samael Aun Weor- Extrato da conferência

 

AddThis Social Bookmark Button
 
< Contos de Fadas - Uma Alquimia Espiritual   O Símbolo VOPUS >

Conhecimento Universal

Ciência
Arte
Filosofia
Mística/Religião

Novas palestras - 2017:

conferencia 
JUNHO JULHO AGOSTO